O CAMPEÃO DO MERECIMENTO

Algumas vezes no futebol o melhor não vence e o merecedor não fica com a taça. Mas desta vez na Copa do Mundo realizada no Brasil, a justiça foi feita. A sempre forte Alemanha conquistou o seu tetra campeonato mundial da forma mais merecedora possível.

Mas não apenas pelo fato de ter goleado impiedosamente Portugal de CR 7 por 4x0 na primeira fase, onde classificou – se em primeiro lugar do grupo. Por ter feito um duelo épico contra a valente Argélia nas oitavas de final vencendo na prorrogação, por ter desclassificado a França de Benzema nas quartas e ter goleado de forma mais impiedosa ainda o Brasil por 7x1 na semifinal, além de ter superado o ímpeto da raça argentina de Lionel Messi na grande final.

Também não foi merecedor apenas por ter dado ao mundo uma aula de respeito, trazendo a publico os seus líderes para desculpar – se do chocolate histórico aplicado sobre o Brasil, dizendo que estavam felizes, mas ao mesmo tempo tristes, pois o Brasil não merecia tamanha humilhação. Olha só que coisa! Os próprios vencedores dizendo isso. E se fosse o contrário? Nossa! Se fosse o contrário nós brasileiros estaríamos falando até agora, as nossas redes sociais estariam inundadas de piadinhas com provocações e humilhações.

Também não são merecedores apenas pelo fato de terem dado outra aula, desta vez de solidariedade, ao fazerem doações para comunidades carentes de Santa Cruz Cabrália. Nem vou citar nada a respeito do moderno centro de treinamento que construíram especialmente para esta Copa e que agora ficará de “bandeja” para os brasileiros.

Também não vou dizer que este time é merecedor apenas pelo fato dos jogadores agirem como seres humanos normais, conversando com as pessoas nas ruas. Só de pensar que uma estrela internacional como Schweinsteiger, o mesmo que já havia dançado “Lepo Lepo” e que na final literalmente “deu o sangue” após um maldoso soco de Aguero, que merecia ter sido expulso, parou o trânsito somente para cumprimentar o amigo que fez na Bahia, o Tiburcio, um simples brasileiro como tantos outros.

Também este time não foi merecedor apenas pelo fato de ter se planejado, ter feito um trabalho a longo prazo de oito anos com o técnico Joachim Low, um trabalho que para alguns jogadores vinha desde as categorias de base.

Também não é merecedor somente pelo fato de ter Miroslav Klose, o maior artilheiro de todas as Copas do Mundo com 16 gols.

Com tanta competência e merecimento, chego a única conclusão que nós brasileiros poderíamos ter chegado nesta Copa, a de que todos nós temos ainda muito o que aprender com eles.